Sexta-feira, 9 de Dezembro de 2005

Chega

A ti que te julgas dono e senhor da verdade:

Chega.

Estou farto.

Farto.

Farto.

Anda por aí uma pessoa pela net que não me deve poder ver à frente. Tomou o gosto de vir até ao meu blog tecer as mais abjectas considerações sobre a minha pessoa. E agora pergunto-me, será que essa pessoa me conhece? Melhor ainda, será que essa pessoa me conhece o suficiente para estar a tecer uma panóplia de acusações abjectas e insultuosas?

É muito fácil uma pessoa vir até um local destes, um blog, onde cada um de nós publica, partilha e expõe as suas opiniões sobre os mais variados temas. E, tudo o que está publicado neste blog está devidamente assinado por mim. Sim, assinado por mim, pois ao contrário de certas e determinadas pessoas, assumo o que penso, escrevo e, posteriormente, publico. Não posso, contudo, é permitir que um ou uma qualquer, que ainda por cima tem o baixo nível de não se identificar, estrague o meu blog, o meu mundo, com insinuações ofensivas para a minha pessoa. Se essa pessoa assumisse realmente o que pensa, não precisaria de se esconder por detrás de pseudo-pseudónimos. Se essa pessoa tivesse o mínimo de carácter, ter-se-ia identificado. Contudo, e como deve ter medo de represálias, não o faz. Esconde-se por detrás de uma máscara julgando-se dono e senhor da verdade: fala como um ser omnipotente, omnipresente e panóptico, esquecendo a sua condição humana (sim, porque esconder-se por trás de pseudónimos e fazendo este tipo de observações só mostra quão frustrada e medricas que esta pessoa é e o medo que ela tem de enfrentar a realidade e de se expor).

Coitado. Tenho mesmo muita pena de ti, quem quer que sejas. Tenho pena da tua malformação, da tua má educação e da tua total ausência de carácter. Tenho pena daqueles que te rodeiam. Tenho pena do mundo por ter em ti mais um dos seus milhentos cidadãos anónimos que passam o dia entre o vegetar e o ser inútil a uma sociedade.

Tenho pena de ti porque, para além de seres arrogante, prepotente e de achares que a verdade e a razão últimas estão do teu lado, te escondes e foges do compromisso, foges da possibilidade de seres identificado, foges da possibilidade de te identificares.
Podes tentar atormentar o meu blog à vontade. Podes tentar irritar-me. Podes até tentar boicotar certos progressos que até hoje eu fiz. Mas minha pessoa anónima e querida, os teus comentários serão, inevitavelmente apagados porque desprovidos de qualquer sentido. E não serão apenas apagados do blog. Serão apagados da memória. E isto porque a história, no seu curso, não exalta os anónimos mas sim aqueles que têm a coragem de dar a cara, de dizerem quem são, e de assumirem sem medos tudo aquilo que escrevem, produzem, dizem e/ou fazem. Por isso, caro amigo, eu sou e serei o Jorge Durões. Para mim, e para os meus amigos, os meus verdadeiros amigos que nada ligarão àquilo que escreves pois sabem distinguir a verdade de uma tentativa de provocação, desacreditação e boicote de baixo nível, tu não passarás de mais uma pessoa frustrada igual a tantas outras que para ai andam com medo de dizerem quem são.

Tenho pena de ti. Tenho mesmo muita pena de ti.

Eu às 4h26 do dia 5 de Dezembro de 2005

retalhado por Jorge Durões às 21:20
link do post | a retalhar | favorito
|

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 1 seguidor

pesquisar

 

Dezembro 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Retalhos Recentes

Fim...

Descrição do Blog

...

Porque...

Isto

Não sei quem sou...

AMO tracinho TE

O local a que chamo casa....

À procura... de um amigo

...

Retalhos já Passados

Dezembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

SAPO Blogs

subscrever feeds