Domingo, 25 de Junho de 2006

Andamento...

alho.jpg

Quantas vezes nos sentamos, pensamos que a nossa presença basta para que alguém se sinta feliz, mesmo que esse alguém esteja a 10 metros de nós com amigos, e, no fim, chegamos à conclusão que não passamos de uns estúpidos com um sentido de inconveniência bastante grande.
O facto da nossa presença, pensamos, é suficiente. Mas esquecemo-nos que, para a outra pessoa, pode não ser suficiente a presença no mesmo espaço. Torna-se mais importante a presença lado a lado, apoiando-se um ao outro.
A capacidade que cada um de nós tem para reagir, a quente, a certas situações não é igual. Contudo, não deve ser recriminada. Deve, por outro lado, ser esclarecida na esperança de que compreendam o porquê de se ter feito determinada acção ou ter tomado determinada decisão naquele momento específico.
Infelizmente, reajo mal a estímulos (leia-se estímulos como, por exemplo, um determinado olhar, determinadas palavras ou pequenas acções que são lançadas na nossa direcção) de pessoas que não conheço minimamente, das quais apenas tenho uma ideia geral que apreendo por osmose. Ideias pré-feitas sobre uma pessoa que são assimiladas através de histórias e caracterizações feitas por alguém que conheça bem a pessoa. Mas sei que as minhas reacções são, muitas vezes, não ponderadas e muito imprudentes. O chamado reagir a quente. Um reagir a quente que eu pensava já ter conseguido esfriar mas que, dia após dia, chego à conclusão que está ainda muito presente dentro de mim como algo que, sem que eu, muitas das vezes, dê conta que acontece.
Especifiquemos. Imaginemos que alguém que acabaram de conhecer, pessoa da qual vocês conhecem um pouco do passado, vos lança um olhar, ou melhor, vos parece que ele vos lança um olhar que vos gela as veias. No momento em que vos parece que ele vos lança esse olhar, sentem um calafrio a percorrer o vosso corpo. Qual seria a reacção ou reacções possíveis?
E se essa situação ocorrer num local que vocês não conhecem de todo, onde nunca estiveram, onde não se sentem integrados?
A minha reacção foi, ao mesmo tempo, incoerente e protectora (peço desculpa, mas esta palavra não deveria ser empregue, mas não consigo arranjar outra melhor; protectora no sentido de deixar a pessoa com quem vocês estão divertir-se com os seus amigos com quem não estava à imenso tempo). Estando com alguém de quem gosto, num sitio que é o seu ambiente natural, em que essa pessoa está com os seus amigos, a ouvir aquilo que gosta, como gosta.
A minha reacção foi, estupidamente, vir tomar ar ao jardim e ai ficar por não me conseguir sentir bem no interior do bar. Sei que foi uma reacção tomada de cabeça, não digo quente, mas a escaldar. Sei que, depois, causei sofrimento a algumas pessoas que, para alem de me terem compreendido, teriam preferido que eu ficasse com elas pois seria mais fácil ultrapassar esse momento. A minha resposta é «não sei». As reacções são isso mesmo, respostas a impulsos. E aquela, naquele momento, foi uma resposta pura, dura, e feita de cabeça completamente no ar. Do estilo «não me estou a sentir aqui bem, o melhor, se calhar, é ir até lá fora apanhar ar e beber». Beber porque a bebida ajuda a clarificar as coisas, a dissipar a nuvem de neblina que, muitas das vezes, paira sobre os assuntos.
Se me disserem que não fiz um esforço, um sacrifico, para estar naquele local, eu respondo que é completamente mentira. Para mim, ficar lá foi um sacrifício que se foi, tornando, a pouco e pouco, num prazer. Porque, infelizmente para mim, demoro tempo a assimilar as coisas, os ambientes, as pessoas. Para mim, não fazer sacrifício algum teria sido voltar as costas e vir-me embora. Contudo, não o fiz. Fui-me embora para o jardim pois precisava do meu tempo e do meu pequeno espaço para esfriar a cabeça e conseguir voltar a mim. E, mais uma vez, como me é característico, consegui, dentro de algo que me é completamente estranho, criar um espaço a que pude chamar meu. Eu sei que levei tempo demais (uma hora e pouco) a conseguir voltar a mim. Mas demorei esse tempo porque precisei, em primeira instância, de criar empatia e uma relação com o espaço/ambiente em si. E quem me conhece sabe bastante bem que eu preciso de me tentar, por mais integrado ou não que esteja num grupo, integrar no espaço. Tenho apenas pena se, porventura, alguém não conseguiu, na noite passada, entender o porquê de me ter acontecido isto. Mas esta apropriação do espaço já faz parte de um processo estúpido que tenho enraizado em mim.
Quanto ao assunto do olhar, as coisas acalmaram. Acalmaram porque consegui integrar-me no espaço. Acalmaram porque também tive algum apoio para me conseguir integrar no espaço. E, se porventura houve algum mal entendido da minha parte, esse foi mais que esclarecido para mim.

25 de junho, em andamento, num comboio, por esta estrada

retalhado por Jorge Durões às 22:29
link do post | a retalhar | ver retalhos (2) | favorito
Quarta-feira, 14 de Junho de 2006

Notícia do Mês

Cinco jovens detidos em Grândola por roubarem cortiça
2006-06-14 13:40:17


A GNR de Grândola deteve cinco jovens, com idades compreendidas entre os 16 e os 21 anos, na zona de Sobreiras Altas, naquele concelho, pelo alegado furto de 1.500 quilos de cortiça.


De acordo com o Destacamento de Grândola da GNR, os detidos são quatro rapazes, entre os 18 e os 21 anos, e uma rapariga de 16 anos.

A mesma fonte, citada pelo Diário Digital, revelou que os suspeitos foram surpreendidos de madrugada, às 03h00, durante uma acção de patrulha policial.

«Os elementos da GNR estavam a efectuar uma ronda de patrulhamento e, na zona de Sobreiras Altas, debaixo de forte chuva, aperceberam-se do furto dos 1.500 quilos de cortiça», acrescentou.

A corporação referiu que em «flagrante delito» a GNR deteve logo três dos rapazes e a rapariga, que se encontravam a «carregar cortiça para uma viatura ligeira de mercadorias».

O destacamento revelou ainda que «o quinto jovem, de 18 anos, depois de ser identificado, pôs-se em fuga e esteve a monte até às 9h30, altura em que voluntariamente se foi entregar à GNR».

Os elementos do posto territorial e do Núcleo de Investigação Criminal (NIC) de Grândola da GNR apreenderam duas viaturas ligeiras, uma de passageiros e a outra de mercadorias, tendo encontrado também, no interior de uma delas, 2,5 gramas de haxixe.

Os jovens, residentes nos concelhos de Grândola e de Alcácer do Sal deverão ser presentes ao tribunal de Grândola, sob acusação de furto qualificado.

Segundo a GNR, o detido de 18 anos é também acusado de conduzir sem carta.

fonte: Lusa

retalhado por Jorge Durões às 18:31
link do post | a retalhar | ver retalhos (1) | favorito

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 1 seguidor

pesquisar

 

Dezembro 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Retalhos Recentes

Fim...

Descrição do Blog

...

Porque...

Isto

Não sei quem sou...

AMO tracinho TE

O local a que chamo casa....

À procura... de um amigo

...

Retalhos já Passados

Dezembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

SAPO Blogs

subscrever feeds