Segunda-feira, 31 de Julho de 2006

...

quando a desilusão, a solidão e a tristeza nos atingem, poderá o tempo intervir a nosso favor?

retalhado por Jorge Durões às 18:47
link do post | a retalhar | favorito

desabafo...

«Quando todos se calam, quando todos dormem, so os coraçoes que se amam permanecem despertos.»

É pena é que nos tentemos enganar a nós próprios e enganar os nossos verdadeiros sentimentos... mas a vida encarregar-se-à de nos mostrar que estamos errados... o tempo encarregar-se-à de apagar as nossas feridas abertas... o universo conspirará para que voltemos a estar juntos... Contudo, nesse momento, a desilusão poderá estar presente e aquilo que deveria ser poderá já não o ser.

retalhado por Jorge Durões às 01:39
link do post | a retalhar | favorito

CHENOA | El Alma En Pie

Cuántas noches en mi cama pronuncié tu nombre,
entre estas cuatro paredes de mi habitación.
Cuántas horas he esperado tu llamada ausente,
o tu voz arrepentida en el contestador.

Cuántas palabras calladas,
cuando entre tus labios;
Los míos regalaron besos sin contemplación,
cuantas tardes nos comíamos a besos, cuantas!
Tantas como días hace que te fuiste, amor.

No hay que mirar atrás,
pues estoy luchando.

Yo sin ti no sé cómo tenerme,
con el alma en pie
sin ti me cuesta respirar.
Sé muy bien que tú,
a mí no volverás
que sepas tú, que como yo
ningún amor se entregará.

Yo sin ti no sé cómo tenerme,
con el alma en pie
sin tí me cuesta respirar.
El tren pasa una vez,
por ti no volverá
que sepas tú, que cómo yo
ningún amor se entregará.

Es tanta la lejania que se siente cuando,
has querido a alguien con toda tu pasión.
Y de buenas a primeras en quien confiabas
se va, llevandose los muebles de tú corazón.

No hay que mirar atrás,
pues estoy luchando.

Yo sin ti no sé cómo tenerme,
con el alma en pie
sin ti me cuesta respirar.
Sé muy bien que tú,
a mí no volverás
que sepas tú, que como yo
ningún amor se entregará.

Yo sin ti no sé cómo tenerme,
con el alma en pie
sin ti me cuesta respirar.
El tren pasa una vez
por ti no volverá
que sepas tú, que cómo yo
ningún amor se entregará.

retalhado por Jorge Durões às 01:23
link do post | a retalhar | favorito

Junto(s)...

Não é novidade. Já to disse muitas vezes esta semana… Junto de ti encontro a paz, a calma, o repouso, o descanso que tanto necessito. Desenvolvi uma brutal dependência de ti. Uma dependência que me causa desespero quando estás longe de mim, quando eu estou longe de ti. Nesses momentos penso… penso em ti… penso na falta que me fazes e no quão estúpido eu fui. As saudades, essas… essas continuarão… continuarão uma vez que neste momento, por mais que eu faça, por mais que eu te prove, não me vais dar nem conceder aquilo que eu mais quero e necessito. Não mo darás porque, segundo dizes, existe em ti uma ferida enorme que não fechará facilmente. Existe em ti a dor, existe em ti o sofrimento, permanece em ti a ideia dos maus momentos que passámos… não sei se te recordas dos bons. Eu recordo-me… e é por esses bons momentos que sofro… por ter entendido, não sei se tarde demais, não sei se completamente fora de tempo, mas por ter entendido o quanto eu te fiz sofrer… o quão mau, inútil, estúpido eu fui para ti. Tudo isto me faz pensar aquilo que eu represento para ti. Aquilo que representei para ti.
Sei que me dirás que estás farto destas palavras, que elas te causam mau estar, te esgotam, te consomem as forças. Eu também estou farto destas palavras… mas como nunca fui bom com actos, como não sei agir, sempre preferi as palavras, o falar.
Ontem abri-me completa e verdadeiramente contigo. Espero que me tenhas percebido. Espero, sinceramente, espero poder fazer de tudo para que me dês outra oportunidade.
Ontem, novamente, deste-me mais uma grande prova da tua confiança. NÃO A IREI QUEBRAR NUNCA. Só espero que, daqui para a frente, que os laços que nos uniam e que nos fizeram felizes nuns momentos, infelizes noutros, se restabeleçam. Mas as coisas nunca serão como dantes. Sei que, para te voltar a ter, necessito de te compreender, necessito de estar contigo, necessito de te respeitar mais do que alguma vez te respeitei.
Esta noite não dormi. Não dormi porque estava, mal ou bem, mal fundamentadamente ou bem fundamentadamente, a sentir o que se passava dentro de ti. Precisei de olhar para ti, de te tocar, de te sentir, pra sentir o quão difícil tem sido o teu percurso. Para sentir o quão difícil é para ti viver e conviver com certos temas e dilemas que povoam a tua vida. Mas ao mesmo tempo, senti que é a teu lado que eu quero estar. Senti que, de alguma forma, sem saber como, preciso de estar do teu lado pra que te possas apoiar em mim sempre que necessites… pra que saibas que tens alguém que te compreende e que está cem por cento disponível para ti. Não estás sozinho, nem nunca foi minha intenção que estivesses sozinho… mas foi como te disse ontem… na tentativa de garantir pessoas, amizades, que não me deixassem sozinho, fui eu quem, no fim, e para não variar, ficou sozinho. Já não é a primeira vez. Mas parece que sozinho não consigo ultrapassar o meu problema de confiar demasiado nas pessoas.
Como te dizia ontem, preciso de ir buscar forças onde não as tenho. Porque há por aí pessoas bem mais interessantes que eu, pessoas bem mais formadas que eu, pessoas bem mais que eu. Mas como sei isto, também sei que essas pessoas bem mais formadas que eu, bem mais tudo que eu, podem não passar de simples ilusões, de simples representações simulacrais que te podem vir a fazer sofrer ainda mais. E como me dizias ontem, ele esconde-se onde menos se espera, sobre formas mansas e virtuosas.
Por ti e para ti sei onde hei-de ir buscar forças. À fonte do amor, da misericórdia e da caridade. Ele, certamente, me dará forças porque n’Ele eu confio. Ele me ajudará na minha luta interior e exterior. Ele me mostrará o caminho que terei de trilhar para chegar a ti. Não sei a letra no original como tu, mas sei a versão portuguesa. «O Senhor é a minha força, ao Senhor o meu canto. N’Ele eu confio e nada temo.»
Por ti, e com a ajuda d’Ele, mudarei. Mudarei com as forças que Ele me dá para que, juntos, possamos ser felizes.

retalhado por Jorge Durões às 01:11
link do post | a retalhar | ver retalhos (1) | favorito

Crazy - Gnarls Barkley

I remember when, I remember, I remember when I lost my mind
There was something so pleasant about that phase.
Even your emotions had an echo
In so much space

And when you're out there
Without care,
Yeah, I was out of touch
But it wasn't because I didn't know enough
I just knew too much

Does that make me crazy
Does that make me crazy
Does that make me crazy
Probably

And I hope that you are having the time of your life
But think twice, that's my only advice
Come on now, who do you, who do you, who do you, who do you think you are,
Ha ha ha bless your soul
You really think you're in control

Well, I think you're crazy
I think you're crazy
I think you're crazy
Just like me

My heroes had the heart to lose their lives out on a limb
And all I remember is thinking, I want to be like them
Ever since I was little, ever since I was little it looked like fun
And it's no coincidence I've come
And I can die when I'm done

Maybe I'm crazy
Maybe you're crazy
Maybe we're crazy
Probably

retalhado por Jorge Durões às 01:09
link do post | a retalhar | favorito
Domingo, 23 de Julho de 2006

sentimentos...

porto-1.jpg

miss you so much

retalhado por Jorge Durões às 23:23
link do post | a retalhar | ver retalhos (1) | favorito

pensamento...

constPT.jpg

«Watching the sunrise, listening "teach me tiger" and thinking in you»

retalhado por Jorge Durões às 23:21
link do post | a retalhar | favorito

mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 1 seguidor

pesquisar

 

Dezembro 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Retalhos Recentes

Fim...

Descrição do Blog

...

Porque...

Isto

Não sei quem sou...

AMO tracinho TE

O local a que chamo casa....

À procura... de um amigo

...

Retalhos já Passados

Dezembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

SAPO Blogs

subscrever feeds